27/08/18

A Beleza...



Sinto cada vez mais, que vivemos na era da imagem! Tudo é direcionado para a imagem perfeita, para o que promove o elogio.
Constantemente somos assaltados por marketing visual, pelo que é bonito, pelo que é aceite socialmente, pelo que é expectável sermos.
Vivemos na era da Selfie, onde o mostrar daquela fotografia espetacular te trará uma centena de aprovações, mas no fim... Existem cada vez mais pessoas a sofrer em silencio por não sentirem que estão à altura, por não se acharem bonitas o suficiente, de acordo com o estereótipo da perfeição que nos é imposto.




De acordo com vários autores o conceito de imagem corporal é impossível de definir claramente. Metodologicamente, e de acordo com Hopwood et al. (2001), não existe, hoje em dia, qualquer consenso face à definição de perturbação da mesma. Não há ainda uma teoria unitária que congregue todas as abordagens existentes. Cash e Pruzinsky (1990) são da opinião de que é um conceito extremamente ambíguo.




Ao falarmos de Imagem Corporal, existe uma relação que devemos considerar, que é a que se estabelece entre a sociedade de consumo e o corpo - A construção social da beleza (que considero como um primeiro passo para o sofrimento).
Com base na literatura depreende-se que o conceito de imagem corporal envolve preocupações, pensamentos e sentimentos que cada pessoa possui acerca do seu corpo e da sua experiência corporal. Numa síntese acerca das concepções de vários teóricos relativamente à imagem corporal infere-se que esta não se restringe a questões de ordem estética e/ou de aparência física. Sublinham que é influenciada também pela idade, etnicidade, função e aptidões corporais, força, sensações corporais, personalidade, sexualidade, estado saúde/doença. Outros factores que se articulam com todos os referidos anteriormente são o conjunto de experiências vividas e a realidade sócio-cultural (Cash e Pruzinsky, 1990; Fallon, 1990; Brendin, 1999). O que nos permite concluir que a imagem corporal é um constructo decorrente de diferentes dimensões da experiência corporal.

A imagem corporal é um importante elemento dentro do complicado funcionamento de formação da identidade pessoal.
(Pitanguy (1992))

Todos nós temos várias crenças e experiencias sobre o significado e importância da  aparência física. Muitas dessas crenças refletem-se nas escolhas do nosso quotidiano, não obstante, influenciam o nosso bem-estar de forma positiva ou negativa.
Tu não és só uma imagem. És o resultado da trilogia “corpo – emoção – pensamento”. Devemos trabalhar na aceitação consciente de nós mesmos e dos outros. Devemos ver-nos a nós e aos outros no seu conjunto e não parcialmente, porque se contemplarmos parcialmente, só vemos e apreciamos de acordo com padrões, modelos e esquemas, o que impede a aceitação e conquista do amor próprio e consequentemente do outro.

Com amor,
Débora Água-Doce

SHARE:

Sem comentários

Enviar um comentário

© A Psicóloga que também é Blogger . All rights reserved.