20/06/16

A importância de dizer “Não”!



A vida passa a uma velocidade estonteante e os dias parecem pequenos perante tudo o que temos para fazer.
A nossa carreira profissional ocupa a maior parte do nosso tempo, pelo que temos que aproveitar muito bem o tempo que nos resta para a nossa vida pessoal. Precisamos aproveitar o tempo que resta para cuidarmos de nós e das nossas pessoas.
Mas e quando nos impossibilitam de o fazer?
Como assim? – Perguntam vocês.
Quantas vezes não te aconteceu sentares-te no sofá para ler finalmente o teu livrinho e o telemóvel toca? E é aquela conhecida que fala pelos cotovelos e já sabes que o telefonema vai durar até ires para a cama...
E quantas vezes te entrou alguém pelo gabinete quando querias estar focada nos emails ou apenas a pensar em novos projetos?
Não permitam que as outras pessoas roubem o vosso tempo. Ele é precioso!!!
É aqui que entra a necessidade de dizer NÃO!
Dizer não às pequenas coisas da vida, poderá dar-te oportunidade de dizer sim a grandes oportunidades.
Pratica a capacidade de fechar a porta do gabinete e de não atender sempre que o telemóvel tocar.
Vais sentir-te melhor e as pessoas à tua volta perceberão e respeitarão mais o teu tempo. Não estás a abdicar dessas relações, apenas estás a colocar limites nos momentos que decides que são para ti!
O teu tempo é valioso. Valoriza-o!


Débora Água-Doce
SHARE:

1 comentário

  1. O problema é que a sociedade não está pronta para os nãos. Está cada vez menos. Esses nãos devem começar desde sempre. Uma criança na mais tenra idade deve saber ouvir um não. Ainda no outro dia, numa papelaria, ouvimos uma criança a fazer uma birra daaaaquelas. O pai só dizia "mas não podemos levar" e nós só ouvíamos o resmungar. De entre esse resmungar ouvimos o "eu não saio daqui sem levar nada!". Até a sra que estava a atender ficou a olhar de lado. Mas escapou-lhe a parte que mais nos impressionou. A mãe vai à procura do filho e parecia pronta a reconfortá-lo e ouvimos o pai a dizer à sua esposa "mãe, o assunto é com o pai". Isto é ou não ridículo? Honestamente, nós tivemos vergonha de ser da mesma raça! Perde-se muito da raça humana...

    ResponderEliminar

© A Psicóloga que também é Blogger . All rights reserved.