14/02/15

São quê? (Valentim...)





Ao longo dos tempos, as tradições de São Valentim foram adquirindo um grau de importância cada vez maior. A cada ano que passa, vão-se criando novas tradições, lendas e brincadeiras...

Existem várias teorias à volta de São Valentim. Uma das histórias conta que nessa mesma data o Imperador Romano Claudius II tinha proibido os casamentos, de forma a angariar mais soldados para as suas frentes de batalha. Valentim, sacerdote naquela época, parece ter violado este decreto imperial e realizava casamentos em sigilo total.
Segundo a história, este segredo foi descoberto e Valentim foi preso, torturado e condenado à morte no dia 14 de Fevereiro de 269 d.C, tornando-o um mártir. Algumas pessoas acreditam que o dia dos namorados se comemora neste dia por ter sido a morte de São Valentim.

Mantendo a tradição de comemorar este dia, desafiei a quem me lê, contributos sobre o tema “Amor”, com o objectivo de “sentirmos o Amor de várias formas” e em diferentes palavras.
Durante o mês de Fevereiro partilharei “o Amor que me foi partilhado”!


Esta é a minha escolha de hoje:

“Querido Amor,

Queria escrever sobre ti sabes? Queria conseguir definir-te (como se isso fosse possível), queria que a maior parte das pessoas percebesse o que tu és.

Já ouvi tantas coisas sobre ti... Mas sabes, questiono se muita gente já te sentiu verdadeiramente. É que dizem coisas horríveis acerca de ti! Com muita pena minha muitas vezes definem-te como dor... como quebra corações. Poucas vezes te definem como Tudo! Só assim numa palavra. Poucas vezes te definem como sorriso, como uma gargalhada, como um abraço, como um afago de cabelo, como um passeio.... Tão poucos te definem como momentos felizes, sim momentos... porque exigem demasiado de ti.. querem que tu sejas eterno e na verdade és, mas não da forma como idealizam ser. Eu entendo-te! Tantas expectativas em relação a ti e poucos sabem que estás nas pequenas coisas.. nos detalhes.. nos olhares... Poucos sabem que estás muito para lá de relacionamentos possessivos, de prisão..  como é possível terem a coragem de chamarem de prisão.. quando na verdade és liberdade e  equilíbrio. Poucos sabem que no final das contas és apenas...... Tudo!”

J. F.


Uma bonita reflexão que nos relembra que o Amor não é sinónimo de Dor, mas sim de pequenos detalhes que potenciam momentos felizes!


Débora Água-Doce
SHARE:

2 comentários

  1. Uma vida

    Era uma vez uma menina, vivia com seus pais e com seus irmãos, sem saber o que a esperava.Um dia seus pais separaram-se a menina ficou com seu pai e irmãos, naquela casa o mundo desabou a menina, o pai os irmãos, não sabiam o que fazer ficou uma destroçada, mais tarde chegou um camião à porta dessa casa, dois senhores saíram do camião, bateram à porta, o pai foi abrir falou com os senhores, e a menina e seu irmão mais novo foram embora, a menina ia triste muito triste sem saber para onde ia mais o seu irmão mais novo. Muitos quilómetros depois, chegou ao pé da sua mãe e do outro senhor que a sua mãe tinha escolhido, a menina odiava-o com todas as suas forças. Não compreendia porquê, ela ficou quatro anos sem ver o pai e os irmãos o que a deixava muito triste e com muitas saudades.A mãe não deixava a menina falar com o pai e seus irmãos não lhe falavam.A menina não tinha alegria, ela com dez anos não podia fazer muita coisa, a mãe tratava-a mais ou menos, nem mãe nem amiga, para a mãe o mais importante era o novo marido. É uma história triste, triste porque só sabe quem passa por ela é que sabe, além do mais a menina era eu.A todas as mães do mundo:Podem não gostar, ou deixar de gostar dos vossos maridos, podem arranjar outros, mas nunca se esqueçam das crianças, porque estas se não têm carinho, nem amor, podem ficar marcadas para sempre, assim como eu !
    Débora isto é só um bocadinho da minha história! Espero que não se importe de eu a chatear no bom sentido mas se se importar diga. Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cara Alexandra,

      Obrigada pela partilha!
      "A todas as mães do mundo:Podem não gostar, ou deixar de gostar dos vossos maridos, podem arranjar outros, mas nunca se esqueçam das crianças, porque estas se não têm carinho, nem amor, podem ficar marcadas para sempre, assim como eu!"
      A Alexandra deu a volta e ainda bem :)
      Parabéns!!!

      Um grande beijinho

      Eliminar

© A Psicóloga que também é Blogger . All rights reserved.