05/02/15

Quando as relações duram demais...




Um olhar, um sorriso...
Um troca de palavras e uma vontade de nos conhecermos melhor levou-nos para perto um do outro!
Uma paixão que nasceu devagar, ao nosso ritmo e ao ritmo da vida que levávamos! Uma empatia, uma complementaridade...
Corríamos para os braços um do outro, contávamos o tempo e pedíamos ao tempo que nos levasse para perto e parasse nesse momento.
Os sonhos eram nossos... Os medos eram doutros...
Tudo tão puro, tão perfeito...
Fomos construindo os sonhos a dois, fomos seguindo o caminho passo a passo, lado a lado...
O pedido de casamento... Mágico! Como tudo em nós!
Os  nossos amigos, a nossa família e as nossas escolhas, todos presentes nesse dia inesquecível!
Foi o dia mais feliz da minha vida!

“Junto a ti corro o risco de envelhecer mais rápido!” – dizia-te!
“Porquê?”
“Porque contigo tudo é um sorriso e isso provoca rugas” – (risos)

Passaram poucos anos e... Tudo mudou...
Olho para ti e já não sinto vontade de te abraçar!
Já não há empatia nem companheirismo.
Já não conto o tempo em que estaremos juntos!
Já não estou sempre a sorrir...
Estar contigo não é sinónimo de felicidade!
O silencio instalou-se em nós, gastámos as palavras...
O teu cheiro já não provoca desejo em mim...
O teu corpo não passa de um corpo...
A tua mão já não me dá a sensação de proteção!
Não sinto que te orgulhes de mim, nem eu me orgulho de ti...
Prefiro estar a trabalhar até tarde do que vir para casa e vestir a “capa da esposa perfeita”, que não é valorizada...
É com tristeza que encaro esta realidade...

Será que o amor nos deixou?
Fugiu de nós?
Prometemos estar sempre aqui um para o outro...
Tenho saudades tuas... Nossas... Do que fomos!
Ás vezes penso nas pessoas que me rodeiam, naqueles que me valorizam e admiram, que dizem que sou bonita, interessante... e sabes? às vezes tenho vontade de experimentar outra vez a sensação de ser desejada por alguém...
Já pensei que estaria apaixonada por outra pessoa... Mas depois, penso em ti... E volto atrás! Não consigo ir em frente...
Será por amor?
Ou será por medo de arriscar?
Estarei acomodada a esta relação?
O que fazer quando nos perdemos?
As relações têm tempo de validade?
Prometemos amar-nos para sempre... 

Existem relações que duram demais?
O que fazer quando se sente que o amor desapareceu e os estímulos externos nos provocam vontade de ir?

É importante percebermos o que aconteceu à relação. Uma relação exige um trabalho de equipa e o seu sucesso ou fracasso é um reflexo desse trabalho a dois.
Quando assumimos uma relação colocamos um pouco do nosso coração nas mãos do outro. Na intimidade existe sempre vulnerabilidade. Criamos a expectativa de que a pessoa nunca nos vais desiludir. Contudo, mais cedo ou mais tarde, aquela pessoa vai falhar e magoar-nos. Não porque nos queira mal. Mas porque é humana. E os humanos são imperfeitos!
Os casais que procuram apoiar o outro, que se preocupam, que cuidam, acarinham e guardam memórias agradáveis, conseguem ultrapassar mais facilmente estas mágoas. É como se tivessem uma caixinha onde guardam os afetos que lhes permite continuar de mãos dadas. Muitas vezes estes momentos unem-nos ainda mais pois sentem que querem ficar juntos.
Mas quando a relação não está segura, quando o respeito não é mútuo, quando a caixinha dos afectos está vazia e os momentos a dois são predominantemente de stress e desunião, sentimos que a pessoa que amamos não está presente quando precisamos. Neste caso, cada falha é encarada como um obstáculo inultrapassável. Cada decepção é um passo no caminho para a separação!

Existem relações que duram tempo demais?
As relações duram o tempo que têm que durar!
Umas terminam, outras resgatam-se!
É possível resgatar as relações!



- Débora Água-Doce -
SHARE:

2 comentários

© A Psicóloga que também é Blogger . All rights reserved.