08/10/14

Só se dá valor, quando se perde...






Quantas vezes te pedi, abraça-me?
Quantas vezes te pedi, beija-me?
Quantas vezes te pedi, surpreende-me?
Quantas vezes te pedi, preocupa-te comigo?
Quantas vezes te pedi, fica aqui comigo?
Quantas vezes te pedi, sorri comigo?

Quantas vezes te disse, amo-te e não respondeste?
Quantas vezes te disse, preciso-te e não me precisaste?
Quantas vezes te disse, quero-te e não me quiseste?
Quantas vezes te disse, cuida-me e não cuidaste?
Quantas vezes te disse, estou infeliz e não reparaste?
Quantas vezes te disse, preciso de mais e nada fizeste?

Quantas vezes te disse, não aguento mais?
Quantas vezes te disse, preciso de mais?
Quantas vezes te disse, gostar só não chega?
Quantas vezes te disse, desisto?

Quantas vezes te pedi, cuida de mim?
Quantas vezes te pedi, cuida da nossa relação?

Tantas, tantas e tantas vezes... e nada fizeste!
Hoje, saí de casa!
Não volto mais!
Não quero mais!
Não luto mais!

Hoje disseste: amo-te!
Hoje disseste: não vás!
Hoje disseste: eu vou mudar!
Hoje disseste: és tão importante para mim...
Hoje disseste: és a mulher da minha vida!

Hoje saí de casa e disse-te: A mulher da tua vida, vai ser feliz, sem ti!!!
Tiveste oportunidade e nada fizeste!

Só se dá valor, quando se perde...



- Débora Água-Doce -
SHARE:

1 comentário

  1. tão verdade...
    Como podemos deixar morrer um amor imenso e avassalador porque estamos mais preocupados com tudo o resto? Com o trabalho, com os amigos, com os hobbies... Tudo é mais importante e mais urgente que responder ao amo-te, que retribuir as surpresas, os cuidados, os carinhos.
    Anos e anos de convivência que nos tornam egoístas e despreocupados, quando deviam era tornar-nos ainda mais próximos...
    E o amo-te e o cuida-me transforma-se em desisto... e depois já não há volta a dar... por mais que até tente. Por mais que queira...

    E apesar do desisto e do não luto mais, continua a haver dor. A dor da perda, a dor do fracasso, o medo do futuro.

    Amar alguém é uma coisa tão maravilhosa, mas consegue ser tão difícil também...





    ResponderEliminar

© A Psicóloga que também é Blogger . All rights reserved.