16/10/14

Amaste-me tanto que me impediste de amar-me!




Amaste-me tanto...
Amaste-me tanto, que nunca me deixaste fazer nada sozinha!
Amaste-me tanto, que achavas que só contigo eu conseguiria fazer as coisas.
Amaste-me tanto, que nem a minha roupa me deixavas escolher, para garantir que estaria sempre bem!
Amaste-me tanto que me querias sempre contigo, impedindo-me de brincar na rua com os amigos, não conseguias suportar a ideia de algo acontecer.
Amaste-me tanto que até dizias coisas feias sobre mim para me protegeres...
Amaste-me tanto que até me bateste quando tive o meu primeiro namorado pois para ti seria muito mau para mim.
Amaste-me tanto que nunca me deixaste cozinhar, tu fazias por mim.
Amaste-me tanto que me protegeste da possibilidade de ser magoada por terceiros, garantindo que não fazia amigos.
Amaste-me tanto que nem tem preocupavas com as minhas notas escolares.
Amaste-me tanto que nem conseguias dizer: amo-te filha!
Amaste-me tanto que nem me conseguias abraçar, pois tinhas receio de muito me apertar.
Amaste-me tanto que pensaste que não era preciso mais nada...
Amaste-me tanto que pensaste que não precisava de amar-me, o teu amor chegava...

Amaste-me tanto que me impediste de amar-me!



- Débora Água-Doce -
SHARE:

Sem comentários

Enviar um comentário

© A Psicóloga que também é Blogger . All rights reserved.