12/05/14

MULHERES QUE AMAM DEMAIS – A HISTÓRIA DA “MARIA”

Nova entrevista à Supa-Woman :)
Falei-vos há uns tempos aqui do grupo terapêutico “Mulheres que Amam Demais“, um grupo de ajuda para mulheres com dificuldade nas relações amorosas e na relação consigo mesmas, com foco na valorização pessoal, autonomia, amor próprio e segurança.
http://supa-woman.com/mulheres-que-amam-demais-a-historia-da-maria/

Porque gostamos de acompanhar as iniciativas que divulgamos, deixo-vos agora a história de sucesso de uma das frequentadoras do grupo, cedido pela psicóloga e mentora do MAD, Débora Água-Doce.
“A Maria chegou até mim preenchida por um sentimento de sufoco “são ciúmes” (…) ”não consigo controlar” (…) ”sou muito obsessiva”.
Contou-me que examina o telemóvel do namorado de uma ponta a outra, confirma tudo o que consegue. Não suporta que trabalhe com mulheres… Considera sempre a hipótese de que ele está interessado noutra pessoa. Não suporta quando ele se atrasa um pouco no telefonema do almoço; quando acontece esse atraso, Maria automaticamente fantasia que ele estará com outra mulher. Quando ele sai mais tarde do trabalho, Maria já imaginou vários cenários e quando ele chega, já não está feliz à sua espera… Surge uma discussão…
O tempo que deviam aproveitar para estar juntos a partilhar, é usado para se magoarem e afastarem.
A Maria tem noção que os seus pensamentos são apenas pensamentos, não são reais, contudo, não consegue evitá-los e inevitavelmente sofre… E como sofre… É uma dor insuportável. Vivencia tudo como se fosse real!
A Maria fala-me dos seus medos como se fossem reais, como se estivessem a acontecer…
Vive focada no namorado e na relação, esquecendo-se de si…Um dia confessou-me que já nem se cuida como antes, deixou de conseguir olhar para o espelho e sentir-se bonita!
“Preciso curar-me deste ciúme, desta insegurança!” foi o pedido de Maria ao Grupo Terapêutico “Mulheres que Amam Demais”; de alguma forma, sente que o Grupo a ajudou. Hoje fala-nos de forma diferente:
“As coisas têm corrido muito melhor. Mesmo! Muito mais do que aquilo que eu esperava… 
E mesmo às vezes quando não gosto de algumas situações, tenho deixado a vida correr sozinha. Sem pressões, sem stress…
Sinto o meu namorado muito mais próximo de mim, a procurar-me como antes (e não falo apenas da proximidade física) e também a tentar alterar alguns comportamentos que me incomodam/incomodavam.
Inscrevi-me num curso de costura (estou quase a terminar a minha primeira saia!), estou a fazer um tratamento ao rosto que há muito havia sendo adiado, tenho feito mais exercício (esta semana começo um novo programa de treino) e estou a alterar a minha (nossa) alimentação para uma vida mais saudável. 
São coisas pequenas, mas que me têm feito feliz. Já não fico em casa a espera que ele chegue… Esta é a minha maior mudança. 
Os meus amigos dizem que estou mais tranquila, melhor.”
Com a realização da terapia de grupo, desafiamos cada mulher a iniciar esta viagem que tem como destino: “Amo-me”! Pretendemos potenciar em cada uma das mulheres autonomia, amor próprio e segurança, ao promover competências pessoais e emocionais capazes de proporcionar uma aprendizagem ao nível de relacionamentos saudáveis, primeiro consigo própria e depois, naturalmente, com os outros. Para isso, propomo-nos trabalhar questões do foro emocional, nomeadamente a impotência, a raiva, a negação, a aceitação, a assertividade, o medo, a confiança, a segurança, a auto-estima e a liberdade, tendo sempre presente a questão: “O que é isto de Amar demais?”
Faça como a Maria, substitua o “vivo por ti!” por “vivo por mim”! “
Para as que sentem que chegou a altura de se virarem para si, antes de se darem aos outros, saibam que se inicia em Maio, em Lisboa, a segunda edição deste grupo terapêutico. Informem-se aqui e, se é esse o vosso caso, não deixem de se inscrever.

SHARE:

Sem comentários

Enviar um comentário

© A Psicóloga que também é Blogger . All rights reserved.