29/05/14

Deixar ir…





“Sinto falta do teu cheiro… 
Da tua respiração… 
Sinto o teu toque sem me tocares. 
Recordo as palavras, os olhares, os silêncios… 
Sinto-te aqui e não te consigo deixar ir…”

Existe um momento em que alguém nos marca.
Um momento em que tudo pára e se transforma.
Um momento onde a magia realmente acontece!
Chamam-lhe Paixão…
Mas, e quando o tempo passa e tudo permanece? Ainda é Paixão?
Chamo-lhe Amor…
O Amor, talvez seja isto: um pensamento presente, uma imagem que permanece, um sorriso que se esboça ao lembrar, um sonho acordado que surge, uma lágrima de saudade, uns pingos de chuva de verdade, um cheirinho a castanhas, um sabor a cerejas, uma flor que se cuida, um perfume que não desaparece, um abraço imaginado que aperta, um suspiro que arrepia…
Talvez seja isto, o Amor!

E quando esse momento é negado ou quebrado, como se segue em frente?
Como se deixa ir alguém que nos marca?
Como se deixa ir um Amor?

Muitas vezes ouço: “Não era o destino! Se tiver que ser, voltaremos a nos encontrar! É a vida…”
Não sei se isso do destino existe, acredito sim, que as nossas escolhas, certas ou erradas, decidem o nosso destino! Está em nós a capacidade de agarrar a vida que queremos! Mesmo com medo, devemos ir…

Como se deixa ir alguém que se Ama?

 “Devagar. É preciso esquecer devagar. Se uma pessoa tenta esquecer-se de repente, a outra pode ficar-lhe para sempre. (…) Quem procura evitar o luto, prolonga-o no tempo e desonra-o na alma. A saudade é uma dor que pode passar depois de devidamente doída, devidamente honrada. É uma dor que é preciso aceitar, primeiro, aceitar.
É preciso aceitar esta mágoa esta moinha, que nos despedaça o coração e que nos mói mesmo e que nos dá cabo do juízo. É preciso aceitar o amor e a morte, a separação e a tristeza, a falta de lógica, a falta de justiça, a falta de solução.
Dizem-nos, para esquecer, para ocupar a cabeça, para trabalhar mais, para distrair a vista, para nos divertirmos mais, mas quanto mais conseguimos fugir, mais temos mais tarde de enfrentar. Fica tudo à nossa espera. Acumula-se-nos tudo na alma, fica tudo desarrumado.
O esquecimento não tem arte. Os momentos de esquecimento, conseguidos com grande custo, com comprimidos e amigos e livros e copos, pagam-se depois em condoídas lembranças a dobrar. Para esquecer é preciso deixar correr o coração, de lembrança em lembrança, na esperança de ele se cansar.” Miguel Esteves Cardoso

Sim, concordo com o MEC, para esquecer é preciso deixar correr o coração, de lembrança em lembrança, esperando que com o tempo ele se canse e nos dê descanso.

Deixem ir…


Débora Água-Doce
SHARE:

1 comentário

  1. Achei o seu texto muito interessante, e a forma peculiar como o contextualizou, evocando um texto de Miguel Esteves Cardoso que, por sinal, aprecio bastante.
    Parabéns! :)

    ResponderEliminar

© A Psicóloga que também é Blogger . All rights reserved.