12/07/13

“Será que afinal, não têm todos razão?”




Certo dia, numa pequena e longínqua vila Indiana, quatro respeitados sábios discutiam afincadamente sobre um importante tema, um qualquer daqueles temas profundos, tão comuns às discussões entre sábios. Estavam há horas mergulhados numa fervorosa discussão, ainda longe de se entenderem, quando os seus argumentos foram interrompidos por um desafio lançado por um espectador. Tratava-se de uma criança, que se fazia acompanhar por um elefante. Elefante esse, que mesmo para elefante, era dono de umas gigantescas proporções.
A criança lançou-lhes o repto de que adivinhassem a natureza da “coisa” que ela lhes apresentava. Ora acontece que estes quatro sábios eram todos cegos, logo, apenas poderiam utilizar o tacto para desvendar este enigma.
O primeiro sábio tocou numa perna do elefante e sentido uma coluna sólida e pesada, uma vez que por mais que a empurrasse ela não se movia, afirmou rapidamente que se tratava de uma grande e resistente coluna de pedra.
Por sua vez, o segundo sábio aproximou-se do colossal animal e ao apalpar-lhe as orelhas ondulantes, anunciou a todos com grande convicção que tinha descoberto o que era esta “coisa”, e o que esta coisa era, não era nem mais nem menos do que um lençol.
O terceiro sábio, depois de ouvir os outros afirmarem realidades tão diferentes, tinha a certeza que ambos estavam errados e seria ele a acertar na resposta. Assim, ao sentir as presas pontiagudas do animal, estava convicto ao declarar que o que a criança tinha ali, era uma arma de guerra, um verdadeiro aríete.
Finalmente, o quarto homem sábio, decidido a por ordem naquilo que achava ser uma sequência de disparates, avançou decidido para o elefante. Por sorte ou azar, foi direito à parte traseira do animal, mais propriamente à sua cauda. Nas mãos do sábio ela parecia uma sinuosa e áspera corda, e como tal, garantiu com toda a certeza a quem o quisesse ouvir, que aquela “coisa” se tratava efectivamente de uma corda.

Depois de todas as opiniões dadas, argumentos expostos e explicações feitas, a criança deixou os sábios levando consigo o seu elefante. Antes de partir, deixou-os com a seguinte questão: “Será que afinal, não têm todos razão?”

Pois é, se olharmos para um problema de uma só perspectiva e nos agarrarmos a ela como uma verdade absoluta, ignoramos outras possíveis perspectivas e perdemos a ideia global do problema, não nos sendo possível entendê-lo no seu todo.

Olhe para as situações de várias perspectivas!


Débora Água-Doce



SHARE:

05/07/13

Casa comigo novamente… Desta vez vamos ser felizes!




Já ouviu a expressão: “voltar para um velho amor é como ler um livro pela segunda vez, já sabe como vai terminar”?

Emocionalmente tendemos a acreditar que esta expressão é completamente falsa, que há sempre outra oportunidade quando há amor e que nunca é tarde para recomeçar. A realidade, porém, muitas vezes, mostra-nos o lado inverso do nosso ideal romântico de relação.
Viver uma relação baseada apenas no amor não é sinónimo de felicidade. É claro que o mais importante é o amor, mas ele, sozinho, não alimenta uma relação. É preciso muito mais do que isso. Partilha, respeito, companheirismo, objetivos de vida em comum, diversão, intimidade física, são apenas algumas das diversas características básicas que alimentam uma relação.

Quando um casal se separa, frequentemente não é por falta de amor, mas sim porque algumas das características básicas não estavam fortes o suficiente, o que impossibilita a continuidade duma relação equilibrada e feliz.

Após a separação, enfrentam-se muitas dificuldades… A carência, a saudade da rotina vivida na relação, as noites que parecem não terminar, os dias em que não se sabe o que fazer… Acreditamos que estaríamos melhor com aquela pessoa que tanto significou para nós.
Mas porque reagimos assim?
Porque sentimos que toda a imperfeição anterior se pode transformar na perfeição presentemente?
Porque é mais fácil aceder a algo já conhecido do que permitir a entrada do desconhecido. Assusta-nos ter consciência da ausência do conforto de uma relação que fez parte da nossa vida por tanto tempo. Recomeçar é difícil… O vazio preenche-nos!

E no seio do luto da relação, eis que surge uma reaproximação da pessoa e com ela, uma esperança que alivia o sofrimento. Como a mente mente, e a verdade não advém apenas da razão, acreditamos que desta vez vai ser diferente, que tudo vai ser melhor. Que a pessoa mudou! Retrocedemos…
Quando existe um recomeço, ao início tudo é mágico! Lembra-se da fase da paixão e do enamoramento? É semelhante!
Contudo, a rotina volta, a paixão diminui e muito provavelmente sente que nada mudou…
O luto de uma relação é longo e doloroso… É preciso tempo para a recuperação! Faz parte do processo de “renascimento”.
A carência leva a confundir emoções o que gera a vontade de reconciliação. Não se esqueça que a carência faz parte do processo de luto, é necessário aceder à tristeza para conseguir “voar sozinho”.
Não quero com isto dizer que não existem finais felizes com o(a) ex-companheiro(a), existem!!! Contudo, também existem os finais não felizes e é preciso ter consciência dessa possibilidade!

A felicidade encontra-se dentro de nós e não no outro! O maior Amor que pode sentir, é o amor por si próprio.

Questione-se do porquê de permitir novamente que alguém que o magoou volte a entrar na sua vida…
E dê uma oportunidade a si próprio de ser feliz!
Ame-se!



Débora Água-Doce
SHARE:
© A Psicóloga que também é Blogger . All rights reserved.