10/05/13

Apaixone-se por si! Parte II





Continuemos a grande viagem até ao “amo-me”…

Hoje trago-lhe um exercício prático: “espelho meu, espelho meu”.
Comece o dia a olhar para o espelho e diga: “Gosto de ti. O que posso fazer hoje por ti, para que tenhas um dia feliz?”
Ouça o seu “eu” mais íntimo e siga os seus conselhos.
Muitas vezes estamos tão habituados a depreciar-nos e a criticar-nos que temos dificuldade em aceitar uma palavra querida e motivadora, contudo, é esse o caminho, aceitar o mimo por nós!
Se durante o dia algo não correr como esperava, volte ao espelho e diga: “gosto de ti na mesma”.
A nossa vida está sempre a oscilar entre o positivo e o negativo, mas o gostar de nós é o sentimento que deve prevalecer em qualquer situação.
Se durante o dia lhe acontecer algo positivo, volte ao espelho e diga: “obrigado”. Aceite a vivência das emoções positivas!

Não devemos esperar que esteja tudo bem connosco para nos amarmos! Vamos sempre estar insatisfeitos com qualquer coisa, a insatisfação é algo que precisamos urgentemente desconstruir!
Tal como disse na crónica anterior, é preciso amar-me para amar o outro. Esgotamo-nos na tentativa de mudar o outro porque algo nãos nos agrada, quando na realidade a mudança tem de partir de nós! A nossa mudança potencia a mudança de quem nos rodeia!
Não devemos viver a nossa vida em função dos outros, não devemos viver para agradar os outros. Primeiro temos de nos agradar! Quando morrermos não vamos levar nenhuma dessas relações connosco, apenas levaremos a capacidade que tivemos de nos amar (nós somos o personagem principal da nossa vida).
A nossa experiencia de vida não é adquirida pelos outros, mas por nós! Cada um de nós cresce com as suas aprendizagens. Aprendemos através das nossas próprias experiências. Se deixamos a nossa vida nas “mãos” de outros, nas “mãos” de um parceiro negativo, com personalidade dominadora, apenas conseguiremos sair dessa relação se nos amarmos. Caso contrário, viveremos infelizes com medo de ninguém nos amar, quando na realidade somos o primeiro a negar o amor incondicional...
Atingiremos o amor incondicional quando começarmos a aceitar quem somos e aprendermos a sentir AMOR por NÓS.
Ame-se!!!


Um abraço,
Débora Água-Doce 
SHARE:

2 comentários

  1. Eu gostava tanto de poder pensar assim... mas não consigo:(
    Há dias que parece que vou conseguir mas der-repente... algo sinto e não consigo, não sei explicar.
    Gostava de ser feliz, tive uma depressão devido a pressão psicológica no trabalho, neste momento estou desempregada e sinto um vazio tão grande dentro de mim, que tenho a sensação que não ando cá a fazer a nada...
    como fazer para passar esta angustia... ser FELIZ!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cara Dulce, para que lhe possa responder adequadamente, solicito-lhe que me envie o seu endereço de email para apsicologaquetambemeblogger@gmail.com :)

      Obrigada!

      Eliminar

© A Psicóloga que também é Blogger . All rights reserved.