20/06/17

Solidão




Nove meses e a vida surge-te perante a luz do nascimento.
A tua mãe estará contigo no primeiro respirar. É com ela (ou com o prestador de cuidados) que contarás a partir de agora. É dela que dependerás para sobreviver e crescer.
Aos poucos, compreendes o mundo à tua volta e gradualmente vais ganhando autonomia.
Todo o teu desenvolvimento visa a tua autonomia e não dependência.
És adulto e percebes que existe em ti um medo, que te controla o pensamento e a percepção sobre quem és e do que és capaz.
Um medo que comanda a tua vida.
Mas...
Será esse o teu propósito nesta vida? Viver aprisionado a pensamentos incapacitantes e redutores?
A autonomia que foste conquistando ao longo da tua vida, tem um propósito de ser. Existe uma razão para essa necessidade.
Sabes qual é o teu maior medo? Aquele que mais te limita?
A solidão!
Tens medo de estar sozinho. Achas que a tua felicidade está na “não solidão”. Muitas vezes percebes que alcanças a paz em momentos de solidão, mas recusas-te a viver essa verdade e deixas-te iludir pelo teu pensamento, que te diz que o caminho não é esse [tudo porque o desconheces, sempre viveste dependente de alguém], que deves voltar ao conhecido, o desconhecido é demasiado assustador.
Mas sabes? Esse medo não é apenas sentido por ti. Todos nós já o sentímos [ou ainda sentimos], é inerente ao ser humano, por tudo aquilo que enumerei no inicio.
Contudo, quero que saibas, que no momento em que te permitires a deixá-lo ir, a verdadeira essência da vida será sentida por ti.
Também eu já tive muito medo da solidão, mas ao olhar para a minha vida, reparo que estive sozinha muitas vezes [efetivamente] e não aconteceu nada, o mundo não acabou. É na solidão que vou ao encontro de mim, que me reconheço e conheço. Que me permito a crescer com as minhas reflexões, sobre os minhas escolhas e sobre os meus comportamentos. É na solidão que me permito a sonhar, a planear, a criar...
Não tenho medo da solidão, mas tenho medo de não ter com quem partilhar a minha vida, os meus sonhos e pensamentos...
Somos seres relacionais e como tal é natural que nos seja difícil viver sozinhos e isolados de qualquer contacto relacional, contudo, saudável não é, depender dos outros para ser feliz. Saudável é procurar dentro de ti o preenchimento para a tua vida. Não são as coisas nem as pessoas que vão determinar a tua felicidade, mas sim, a tua capacidade e a forma de te relacionares com essas coisas e com as pessoas.
Podes ser rico e conseguir comprar tudo o quiseres, mas se a tua relação contigo e com os outros não for de compaixão, nada do que possas comprar te trará felicidade ou paz de espírito.
Permite-te a momentos de solidão.
Ouve a tua voz interior, aquela que teimas em calar e deixa-te guiar neste caminho que tem como destino a liberdade. Só quem é livre consegue amar e viver em paz na solidão e na não solidão.
E sabes?
Nunca estás sozinho!
Tens um mundo em teu redor. Aceita-o!


Um abraço,
Débora Água-Doce
SHARE:

06/06/17

A terapia de casal no difícil caminho do Amor




À minha volta existem muitos casais a perderem-se. 
Casais que considerava seguros e inseparáveis. Casais que pareciam felizes [e eram].
No meu consultório os corações partidos são cada vez mais, na minha rede, das minhas pessoas também.
Ambiciono inverter essa tendência... O meu foco é no Amor e na reconstrução, como tal, hoje, relembro um texto sobre os benefícios da terapia de casal.

Não desistam!





“Parece que chegámos ao fim da linha…
As coisas não estão bem.
Já não há magia…”


Todos sabemos que construir uma relação afectiva demora tempo e é preenchida por momentos que nem sempre são mágicos! Uma relação, exige negociação e, acima de tudo, cedência e harmonia. Ser capaz de ceder, com o intuito de oferecer, de dar, de crescer a dois, é sem dúvida, a principal chave da harmonia.

Frequentemente é-me partilhado no “sofá terapêutico”, o quão difícil e assustador é, lidar com a palavra “Amo-te”! Por vezes, assusta só de ouvir… Não se sabe o que fazer, mas fica o sentimento de ter que responder igual.
É quase como se esta palavra, fosse sinónimo de Compromisso! Daí, o medo.

Todas as relações dão trabalho… Todas trazem como companhia sensações que nos inquietam, tais como preocupações, incertezas, mágoas, medos, desistências, entre outras consequências. Amar implica trabalho no sentido do investimento activo e assertivo a que obriga. Pressupõe capacidade e vontade de sair de si próprio e olhar para o outro com capacidade de ver, a verdadeira essência do termo.
Implica frontalidade, capacidade negocial, honestidade, lealdade e sobretudo… Diálogo! É no diálogo que a relação se constrói, cresce e fortalece.

Na relação, estão em jogo várias personalidades: o eu próprio, o eu na relação e o nós! Uma relação não pode ser sinonimo de fusão de personalidades. Cada um é único na sua individualidade e os dois traçam caminho paralelo, mas jamais fundidos.

No processo terapêutico em casal o foco predominante é a relação de casal. Cada elemento é também contemplado na sua individualidade, mas o foco é sobretudo a relação de casal e o que é que está a acontecer na relação que está a contribuir para o problema relacional. O envolvimento de ambos os elementos do casal é um factor essencial na medida em que é partilhada a responsabilidade pela compreensão do problema e pelas mudanças desejadas para a relação.

A psicoterapia de casal procura, assim, ajudar o casal a reconhecer os seus padrões de interacção disfuncionais e favorecer uma partilha mais genuína e aceitante do que são as necessidades, desejos e angústias de cada um, no sentido de promover mudanças que beneficiem a relação.
Esta procura de ajuda é importante para todos os casais que, pelos mais diversos motivos, estejam a atravessar um período de crise e que sintam desejo de lutar pela continuação da relação.





Débora Água-Doce
SHARE:

23/05/17

Hoje é um dia importante para ti!!!




Torna o teu dia um dia importante [todos os teus dias são dias importantes]. 
Cuida-te como se fosse um dia mesmo especial!
Olha-te ao espelho e sorri!
Sai de casa confiante e dá o teu melhor em cada passo que deres.
Sê gentil para com os que contigo se cruzam e sorri sempre.
Caminha firme.
Confia em ti!
Ergue a cabeça e avança!
Hoje é um dia importante para ti!
Dedica-te a torna-lo melhor!
Come de forma saudável :)
Tenta passar pelos menos 5 minutos do teu dia a receber o calor do Sol.
Sorri!
Dorme tranquilo e...
Amanhã será um dia importante para ti!
Torna-o especial.
Mantém este empenho todos os dias da tua vida e terás mais oportunidades de ser feliz!


Confio em ti,

Débora Água-Doce
SHARE:

Daquelas histórias bonitas em que gostamos de acreditar





Moses Mendelssonhn, pai do grande compositor Alemão, estava longe de ser bonito. Para além de baixo, tinha uma corcunda grotesca.
Um dia, visitou um comerciante em Hamburgo que tinha uma filha muito bonita chamada Frumtje. Moses apaixonou-se perdidamente por ela, mas Frumtje sentia-se repugnada pela sua aparência disforme.
Ao chegar a hora de partir, Moses ganhou coragem e subiu as escadas até ao seu quarto para uma ultima oportunidade de tentar falar com ela. Frumtje tinha uma beleza celestial, mas entristeceu-o profundamente ao recusar-se olhar para ele. Depois de várias tentativas de iniciar uma conversa, Moses perguntou timidadmente:
- “Acreditas que os casamentos se fazem no céu?”
- “Sim”, respondeu, ainda com os olhos postos nos chão. 
  “E tu?”
- “Sim, acredito”, respondeu Moses.
  “Sabes, no céu, assim que nasce um menino, o Senhor anuncia quem é a sua noiva. Quando eu nasci, a minha futura esposa foi escolhida. Mas, logo depois, o Senhou disse-me que ela ia ser corcunda. Imediatamente, pedi ao Senhor que me livrasse de tal tragédia e que me desse a corcunda, para que a minha mulher fosse bela”.
Frumtje levantou a cabeça e olhou para ele, assaltada por uma memória distante. Estendeu a mão a Mendelssohn e, mais tarde tornou-se sua esposa.

[Barry e Joyce Vissell]


Que tenham um dia inspirado :)


Com Amor,

Débora Água-Doce
SHARE:

15/05/17

O Amor venceu




Estes últimos dias, foram inundados de Amor!
Portugal recebeu e deu Amor de várias formas, mas algumas ficarão na História para sempre.
O Amor acontece na vida mas muitas vezes fechamos os olhos à sua chegada, vivemos numa azáfama que nos impede de sentir, de ser.
Sem planear, sem contar... Ao final do dia 12 o caminho foi até Fátima. Uma imensidão de crentes esperavam de coração cheio de esperança, o Santo Padre.
No meio da multidão senti Amor! Senti uma energia positiva, senti fé e esperança num amanhã de luz, de Amor!
Todos ali queriam o mesmo: paz e felicidade!
Todos ali sentiam fé nas coisas boas que estão para acontecer.
Todos ali éramos um só!
Cada um com o seu tipo de fé, mas todos com muita crença no Amor.
Santo Padre trouxe-nos Amor, trouxe-nos o que temos dentro de nós e muitas vezes negamos sentir. É urgente deixar cair as amarras dos “teres” e Ser sem filtros ou limites. É no Ser que surge o Amor!

Tenham fé! Seja ela qual for. Tenham fé nas coisas boas, no que de melhor está para vir. Acreditem num mundo melhor e tornem os vossos dias todos, dias melhores.

Salvador é Amor!
Chegou, cantou, amou e venceu.
Ele sente e expressa o sentir na sua arte que é a música.
Luísa compôs uma música lindíssima, repleta de emoção e tão pura... Salvador sentiu e chegou ao coração de todos nós.
O Amor é isto, simplicidade e alegria por apenas ser. A verdadeira beleza é isto...
Ainda me emociono ao ouvi-lo, ao interpretar as suas palavras e emoções.
Pudéssemos nós todos amar assim [e podemos] e confiar na vida! Confiar nas escolhas que fazemos e nos medos que enfrentamos, crendo que haverá um dia melhor amanhã. 
Um mundo melhor em que o Amor é Rei!
Certa de que todos de alguma forma se deixaram tocar pela energia boa destes dias, relembro:
Confiem! Amor e fé [a medicação para alcançar a felicidade].

TUDO É POSSIVEL!


Só para terminar, a letra que me cativou [cativou o mundo]:

“Se um dia alguém perguntar por mim
Diz que vivi para te amar
Antes de ti, só existi
Cansado e sem nada para dar

Meu bem, ouve as minhas preces
Peço que regresses, que me voltes a querer
Eu sei que não se ama sozinho
Talvez, devagarinho, possas voltar a aprender

Meu bem, ouve as minhas preces
Peço que regresses, que me voltes a querer
Eu sei que não se ama sozinho
Talvez, devagarinho, possas voltar a aprender

Se o teu coração não quiser ceder
Não sentir paixão, não quiser sofrer
Sem fazer planos do que virá depois
O meu coração pode amar pelos dois”



Com Amor,

Débora Água-Doce
SHARE:

08/05/17

Ver com o coração




Foi já tarde que este livro veio parar à minha mão... Num momento de crescimento pessoal e profissional "caiu" o Principezinho no meu colo para nunca mais personificar apenas uma prateleira de livros, mas para sempre ficar nas memórias das aprendizagens da minha vida.
Deviam leccionar nas escolas uma cadeira com o nome "ver com o coração" ou "o essencial é invisível aos olhos", ou algo similar, em que fosse transmitida toda a simbologia da importância dos afectos.
Afectos... Amor...
As palavras mais presentes no meu blog, no meu trabalho, na minha vida.
Tento colocar amor em tudo o que faço [ás vezes não consigo], tento transmitir a sua importância diariamente e percebo [confirmo mais uma vez] que a grande dificuldade em Amar[a nós e ao outro] vem do início da nossa existência.
Houve um abraço que não recebemos, um elogio que não nos fizeram naquele dia tão importante... O colo que não tivemos quando o mundo parecia acabar. As palavras  que não ouvimos “vai ficar tudo bem”, quando estava tudo mal...
Pequenos [gigantes] detalhes que marcam a nossa forma de ver o Amor e de Amar.

É na vida adulta, que percebemos o como somos carentes de afecto e o como o precisamos todos os dias.
É na vida adulta que percebemos o como as relações são difíceis. O como sonhamos que corram bem e o como nos sentimos incapazes de o concretizar.
As relações são imperfeitas! As relações são difíceis!

Dois olhares que se cruzam... Dois corações que aceleram e duas vontades que se juntam “num só corpo”. Sonhos e promessas de que será para sempre, que esta é a pessoa certa [isso existe?], que desta vez será fácil e cor-de-rosa.

É assim que começa cada história de Amor.
Mas... O tempo passa e a perfeição desaparece [ela nunca existiu]. A paixão é “infectada” pelas imperfeições do outro e as certezas dão lugar às incertezas.
Tens medos?
Tens traumas?
Tens bagagem de uma vida?
Só queres ser feliz?
A outra pessoa também!
Por isso as relações são tão difíceis...
Todos trazemos passado que dificulta a capacidade de viver o presente.
Todos precisamos de aprender a ver com o coração.
É com o coração que conseguiremos enfrentar todas as provações que a vida nos coloca.

As relações são imperfeitas e difíceis, mas podem ser tão felizes!!!
Apenas precisas de confiar em ti, confiar no amor que sentes, ouvir o teu coração e trabalhar em equipa [não é possível amar pelos dois].
Não permitas que os medos e os desejos te façam perder do essencial!
Não permitas que o silencio e a distancia sejam família.
Lembras-te do que sentias e sonhavas?
Resgata esse sentimento bom!
Não te poupes nas palavras... Gostas de ouvir “Amo-te”?
A outra pessoa também. Diz-lhe!

Numa relação, o essencial é invisível aos olhos. Só verás bem com o coração.
Insiste na felicidade. Ela existe [dá imenso trabalho, mas vale bem o esforço].


Com Amor,

Débora Água-Doce
SHARE:
© A Psicóloga que também é Blogger . All rights reserved.